<img height="1" width="1" alt="" style="display:none" src="https://www.facebook.com/offsite_event.php?id=6010927731378&amp;value=0&amp;currency=BRL" />

Resultados

O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) mensura, por meio de entrevistas com produtores agropecuários, a percepção econômica em geral, do Brasil e do estado, além da condição específica do negócio, das indústrias e cooperativas que atuam nos diferentes elos da cadeia. A divulgação é trimestral, juntamente com o painel de investimentos.

Índice de Confiança do Agronegócio: 106,3 pontos,
alta de 4,2 pontos

Setor sustenta o otimismo e confiança é recorde

O entusiasmo continua em elevação no Agronegócio. O Índice de Confiança do Agronegócio chegou a 106,3 pontos no terceiro trimestre de 2016, 4,2 pontos acima do trimestre anterior.

É o segundo aumento consecutivo do indicador, agora no nível mais alto desde que começou a ser medido, em 2013. Assim como ocorreu no 2º trimestre deste ano, a melhora na percepção sobre as condições gerais da economia brasileira foi o principal fator a contribuir para aumentar a confiança da cadeia produtiva.

Os produtores e as empresas que compõem o setor mantiveram-se na faixa de pontuação acima de 100 pontos, considerada otimista. Uma pontuação igual a 100 pontos corresponde à neutralidade, de acordo com a metodologia do estudo. Resultados abaixo disso indicam baixo grau de confiança.

Índice da Indústria (Antes e Depois da Porteira): 104,9 pontos, alta de 3,8 pontos

O Índice de Confiança das Indústrias ligadas às atividades agropecuárias aumentou 3,8 pontos em relação ao 2º trimestre de 2016, chegando a 104,9 pontos. Com o resultado, consolida-se a recuperação do otimismo ao longo do ano. O indicador subiu 29 pontos desde o primeiro trimestre, quando chegou ao nível mais baixo já registrado. Isoladamente, porém, o aumento na confiança foi maior entre os fornecedores de insumos (Antes da Porteira) do que entre as empresas de alimentos, situadas na parte final da cadeia (Depois da Porteira). Essas últimas apresentam o que se pode chamar de otimismo moderado diante dos desafios que ainda precisam ser superados para uma efetiva recuperação da economia brasileira.

Indústria Antes da Porteira (Insumos Agropecuários): 108,2 pontos, alta de 6,4 pontos

Os ânimos mantiveram-se em alta para os fornecedores de insumos agropecuários. O Índice de Confiança dessas empresas fechou o 3º trimestre de 2016 em 108,4 pontos, 6,4 pontos acima do trimestre anterior. Em relação ao mesmo período do ano passado, a alta é de 35 pontos. O principal impulso para o crescimento veio da melhora na percepção sobre as condições gerais da economia, como ocorreu em praticamente todos os setores avaliados para compor o índice. Isso compensou uma piora na avaliação sobre as condições específicas do negócio, que pode ser explicada pela queda nos preços dos principais produtos agrícolas desde o pico observado no 2º trimestre do ano, prejudicando um pouco a relação de troca do produtor com os insumos. O desempenho dos setores de fertilizantes e defensivos agrícolas contribuíram para a melhora neste elo.

Indústria Depois da Porteira (Alimentos): 103,4 pontos, alta de 2,8 pontos

O Índice de Confiança da Indústria Depois da Porteira fechou o 3º trimestre em 103,4 pontos, 2,8 pontos acima do trimestre anterior. O otimismo recai basicamente sobre as expectativas de que o mercado dê sinais mais claros de melhora no nível de emprego e de renda. Neste caso, o setor de alimentos tende a ser um dos primeiros a se recuperar, uma vez que compõe a maior parte da despesa das famílias. No entanto, as preocupações persistem, já que a retomada do consumo neste setor ainda não deu sinais consistentes de melhora, o que afeta a variável “condições do negócio”, que permanece no campo negativo.

Índice do Produtor Agropecuário: 108,2 pontos, alta de 4,7 pontos

Pela segunda vez desde que o Índice de Confiança do Agronegócio começou a ser medido, há três anos, o nível de confiança dos produtores agropecuários fechou acima de 100 pontos, na faixa considerada otimista de acordo com a metodologia do estudo. O indicador fechou o 3º trimestre em 108,2 pontos, 4,7 pontos acima do trimestre anterior. Os produtores agrícolas ainda são os mais confiantes, muito embora os pecuaristas tenham superado a faixa dos 100 pontos, algo que não acontecia há dois anos.

Produtor Agrícola: 110,7 pontos, alta de 6,0 pontos

O Índice de Confiança do Produtor Agrícola cresceu pelo quinto trimestre consecutivo, chegando a 110,7 pontos. O crescimento é de 6 pontos em relação ao trimestre anterior e de 24 pontos em relação ao mesmo período de 2015. De maneira geral, o nível de confiança em aspectos como as condições da economia (grande destaque) e a expectativa de produtividade, suplantou a perda de entusiasmo com os preços – as cotações dos principais produtos agrícolas, como soja e milho, vêm caindo desde que atingiram o pico deste ano, no 2º trimestre.

Produtor Pecuário: 100,7 pontos, alta de 0,9 ponto

De todos os setores avaliados para a composição do IC AGRO, a pecuária é a que se mantém mais próxima da neutralidade. O indicador fechou em 100,7 pontos, apenas 0,9 ponto a mais do que no 2º trimestre do ano. Em outras palavras, a recuperação da confiança tem sido mais lenta entre os criadores.

Ainda assim, este é o melhor resultado desde o 3º trimestre de 2014. Uma das razões para a relativa estabilidade na variação do índice é a queda nos preços da carne e do leite nos últimos meses. Apesar disso, a percepção dos criadores sobre os custos de produção melhorou – algo que se deve, basicamente, à queda nos preços do milho desde o 2º trimestre. Os produtores de leite estão ligeiramente mais confiantes que os pecuaristas de corte, invertendo a situação observada no trimestre passado.



A seguir, são apresentados os resultados em cada elo da cadeia produtiva. Os destaques podem ser encontrados através do download.

Produtor Agrícola
110,7
Índice do Produtor Agropecuário *
(Produtor Agrícola e Pecuário)
108,2
Produtor Pecuário
100,7
Abaixo de 100 indica pessimismo. Acima de 100 indica otimismo.

6,0**
4,7**
0,9**
** Variação (em pontos) em relação ao trimestre anterior.
Antes da Porteira*
108,2
Índice da Indústria
(Antes e Depois da Porteira)
104,9
Depois da Porteira*
103,4
Abaixo de 100 indica pessimismo. Acima de 100 indica otimismo.

6,4**
3,8**
2,8**
** Variação (em pontos) em relação ao trimestre anterior.
Antes da Porteira
108,2
Produtor Agropecuário
108,2
Depois da Porteira
103,4
Abaixo de 100 indica pessimismo. Acima de 100 indica otimismo.

6,4**
4,7**
2,8**
** Variação (em pontos) em relação ao trimestre anterior.