a ICAGRO

Resultados

O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) mensura, por meio de entrevistas com produtores agropecuários, a percepção econômica em geral, do Brasil e do estado, além da condição específica do negócio, das indústrias e cooperativas que atuam nos diferentes elos da cadeia. A divulgação é trimestral, juntamente com o painel de investimentos.

Índice de Confiança do Agronegócio: 100,3 pontos,
alta de 1,9 ponto

Índice de Confiança do Agronegócio: 100,3 pontos, alta de 1,9 ponto

Reaparece um otimismo moderado.

Os produtores e empresas ligadas ao agronegócio mostraram-se moderadamente otimistas no terceiro trimestre de 2018. O Índice de Confiança do setor fechou em 100,3 pontos, alta de 1,9 ponto sobre o levantamento anterior. A recuperação, embora modesta, reflete em boa parte o que aconteceu no 2º trimestre. Houve no período uma gradual superação dos problemas da primeira metade do ano – como os que foram causados pela greve dos caminhoneiros – mesmo que uma boa dose de incertezas tenha permanecido sobre o setor. A maior parte das entrevistas para o estudo ocorreu em setembro. O humor dos produtores agrícolas e da indústria situada Depois da Porteira (como as de alimentos) está um pouco melhor do que o das empresas de insumos e dos pecuaristas. De acordo com a metodologia do estudo, resultados superiores a 100 pontos demonstram otimismo. Resultados abaixo disso indicam pessimismo.

Índice de Confiança da Indústria (Antes e Depois da Porteira): 99,3 pontos, alta de 0,8 ponto

O Índice de Confiança da Indústria fechou o 3º trimestre do ano em 99,3 pontos, alta de 0,8 ponto. Há um comportamento distinto entre as empresas classificadas como Antes da Porteira, cuja desconfiança aumentou – e as indústrias situadas Depois da Porteira, que recuperaram um pouco do entusiasmo.

Indústria Antes da Porteira (Insumos Agropecuários): 95,4 pontos, queda de 3,8 pontos

A confiança das empresas de insumos agropecuários caiu 3,8 pontos do segundo para o terceiro trimestre, chegando a 95,4 pontos. As incertezas com relação à economia brasileira pesaram para o esfriamento dos ânimos. Mas nem todos os aspectos que compõem o índice são negativos. De fato, a percepção sobre as condições do negócio melhorou no trimestre – o que era de esperar diante de entregas recordes de fertilizantes em julho, agosto e setembro, recuperando os problemas causados pela greve dos caminhoneiros e pela indefinição dos fretes que travou o mercado. No acumulado do ano (jan-set), as entregas somaram 25,9 milhões de toneladas, 4,4% acima do recorde registrado no mesmo período do ano passado. O setor de máquinas agrícolas também mostra sinais de recuperação. As vendas acumuladas de junho a setembro são 18% maiores do que no mesmo período do ano passado (embora, no acumulado do ano, de janeiro a setembro, o mercado ainda esteja abaixo de 2017).

Indústria Depois da Porteira: 101,0 pontos, alta de 2,7 pontos

As indústrias Depois da Porteira recuperaram um pouco da confiança no atual levantamento. O Índice desse segmento chegou a 101,0 pontos, alta de 2,7 pontos, o suficiente para sair de uma faixa moderadamente pessimista para uma situação de leve otimismo. De maneira geral, a recuperação se deve à melhora da percepção em relação às condições atuais do setor. É bom lembrar, por exemplo, que no terceiro trimestre houve a retomada das negociações de grãos, praticamente interrompidas durante a greve dos caminhoneiros e no período subsequente. Favorecidas pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, as exportações brasileiras de soja seguem em ritmo forte e o mercado já trabalha com a possibilidade de chegarem a 80 milhões de toneladas – recorde absoluto, 12 milhões de toneladas acima do registrado em 2017. O resultado só não é melhor porque o milho brasileiro perdeu competitividade – e num ano de quebra da safrinha, os embarques de milho devem ficar cerca de 5 a 6 milhões de toneladas abaixo do volume do ano passado.

Para o setor de carnes, os embarques da proteína bovina também aumentaram nos últimos meses, acumulando volumes recordes e amenizando o tom pessimista de parte da indústria, especialmente aves e suínos – que ainda tenta lidar com os problemas causados pelo fechamento de diversos mercados aos produtos brasileiros. Outro segmento cuja situação melhorou foi o sucroenergético. De junho para setembro, os preços do etanol hidratado no mercado doméstico subiram 5%, acompanhando o aumento do petróleo no mercado externo e a desvalorização do real, aliviando a situação das usinas, que vinham pressionadas pela baixa no mercado de açúcar.

Índice do Produtor Agropecuário: 101,7 pontos, alta de 3,3 pontos

Os produtores agropecuários recuperaram um pouco a confiança perdida no levantamento anterior. Seu Índice subiu para 101,7 pontos na pesquisa atual, alta de 3,3 pontos. O aumento ocorreu tanto entre os produtores agrícolas quanto entre os pecuaristas, com maior otimismo com as condições do negócio do que com as condições gerais da economia para ambos. Os motivos para isso sustentam-se em três pilares: preços, crédito e produtividade.

Índice do Produtor Agrícola: 106,0 pontos, alta de 3,1 pontos

Os produtores agrícolas chegaram às vésperas do início da safra de verão mais confiantes do que estavam no mesmo período da temporada anterior. O Índice de Confiança desse segmento chegou a 106,0 pontos, crescimento de 3,1 pontos sobre o trimestre anterior e 13,1 pontos a mais do que o mesmo período de 2017. Um dos principais aspectos que impulsionaram a alta é a produtividade: os agricultores mostram-se confiantes em um novo bom desempenho nas lavouras. O clima colaborou nas regiões em que o plantio começou em setembro. É o caso do milho de 1ª safra no Sul do Brasil e em São Paulo e da soja no Paraná e em boa parte do Centro-Oeste (principalmente Mato Grosso e Mato Grosso do Sul). Outro aspecto em que aumentou o otimismo está relacionado ao crédito. É fácil explicar a razão: as taxas de juros caíram não só no crédito oficial e nos recursos postos à disposição pelo Plano Safra - os empréstimos e financiamentos bancários em geral – a mercado – também estão mais baratos, abrindo mais alternativas de crédito para os produtores.

Índice do Produtor Pecuário: 88,9 pontos, incremento de 3,6 pontos

O humor dos pecuaristas melhorou um pouco no trimestre, com seu Índice de Confiança chegando a 88,9 pontos (alta de 3,6 pontos). O aumento foi puxado pelos pecuaristas de corte – e o aspecto onde houve maior ganho foi o relacionado aos preços, refletindo a recuperação do mercado no período de junho a setembro. Isso ainda não foi o suficiente para fazer com que o ânimo dos pecuaristas saísse da faixa considerada pessimista pela metodologia do estudo – de fato, os produtores pecuários compõem o segmento de menor confiança entre todos os analisados no estudo.



A seguir, são apresentados os resultados em cada elo da cadeia produtiva. Os destaques podem ser encontrados através do download.

Agropecuário
101,7
Agrícola
106,0
Produtor Pecuário
88,9
Abaixo de 100 indica pessimismo. Acima de 100 indica otimismo.

3,3**
3,1**
3,6**
** Variação (em pontos) em relação ao trimestre anterior.
Antes da Porteira*
95,4
Índice da Indústria
(Antes e Depois da Porteira)
99,3
Depois da Porteira*
101,0
Abaixo de 100 indica pessimismo. Acima de 100 indica otimismo.

3,8**
0,8**
2,7**
** Variação (em pontos) em relação ao trimestre anterior.
Antes da Porteira
95,4
Produtor Agropecuário
101,7
Depois da Porteira
101,0
Abaixo de 100 indica pessimismo. Acima de 100 indica otimismo.

3,8**
3,3**
2,7**
** Variação (em pontos) em relação ao trimestre anterior.